Google + EU NO MEU DOUTORZINHO ~ A VIDA COM ESCLEROSE MÚLTIPLA

Youtube

7 de set de 2010

EU NO MEU DOUTORZINHO

O médico e a boneca. Norman Rockwell, 1929
Norman Rockwell Museum, Stockbridge, U.S.A.

Oi gente tudo bem? Voltei com novidades! Mas antes de escrever qualquer coisa gostaria de agradecer a todos os meus leitores queridos que me mandaram ótimas vibrações para enfrentar mais uma batelada de exames e a volta ao médico! Muitíssimo obrigada!!!
Bom, vocês se lembram que eu disse aqui que estava muito ansiosa para ver o meu doutorzinho? Pois é, o que não contei pra vocês foi que espiei as minhas ressonâncias alguns dias antes, pois encanei que ia ficar tão ansiosa que não ia prestar atenção na consulta. Bem, a ressonância do crânio estava do mesmo jeitinho então dizia que não tinha nenhuma lesão nova, o que me deixou quase tranquila. Mas quando vi a da coluna cervical fiquei sem entender nada, estava escrito que foi marcado uma lesão nova na C7. Xiiii, foi aí que fiquei preocupada, o que era aquilo? Se no próprio laudo não mostrava realce com contraste? Confesso que fiquei preocupada!
Bem mas na sexta-feira, eu e o Baby nos mandamos pra São Paulo rumo ao consultório do meu doutorzinho, eu num nervosismo só!
Quando a Helô, secretária dele nos mandou entrar, senti um frio na barriga e ele já foi perguntando: "E aí como vocês estão?" Ele iniciou a minha consulta questionando o Baby sobre seu trabalho, e quando soube que é em outra cidade que ele trabalha, quis saber se era muito longe e com o que ele estava trabalhando. A princípio fiquei sem entender por que aquele questionário da vida do Baby, mas depois percebi que ele estava investigando o meu estado emocional. E aí ele perguntou tudo que eu estava sentindo, e eu comecei a nossa conversa dizendo a ele que a nossa viagem para França valeu como experiência sobre o estado emocional e a esclerose múltipla, pois como eu estava feliz e me sentindo plena, lá não senti nada. Andei muito e nem um formigamento senti e ele concordava.
E continuei a contar: "dessa vez foi muito estranho, eu estava ótima e de repente senti uma forte tontura, um grande cansaço pra realizar qualquer tarefa mesmo que cotidiana, como um banho por exemplo e no meu nariz senti uma coisa esquisita, parecia que estava passando uma corrente elétrica nele. Não sei se dá pra entender doutor!" E ele apenas olhava pra cima para pensar em tudo que eu dizia, balançava a cabeça num gesto de concordância e logo anotava tudo. E eu continuei, "a perna esquerda tem hora que pesa, a direita dói na hora de dormir, o pé esquerdo queima quando está calor e todas essas coisinhas, mas o que está mais frequente é a dor de cabeça". Aí ele me perguntou, " qual é a frequência dessa dor de cabeça? Mais de três vezes por semana?" E eu disse "está quase que diária, cada vez mais frequente e forte, tem dias que tomo dois analgésicos." Aí ele perguntou " Mas isso a quanto tempo? Antes de vocês viajarem?" "Sim doutor, acho que começou em abril." " Mas e lá doeu?" E eu respondi "Não lá não doeu, doeu na volta dentro do avião e foi uma dor terrível que só passou com um remédio francês que tomei no vôo." E foi aí que ele me disse " É exaqueca!" e eu "Não é cefaléia tensional?" e ele "Não, é enxaqueca mesmo, 90% das mulheres que tem enxaqueca tem essa crise forte em viagens internacionais e no seu caso tem tudo a ver com a esclerose múltipla." E eu caí de queixo, nunca imaginei que pudesse ser enxaqueca.
Aí ele me chamou pro exame clínico e começou todo o procedimento, marcha, força, sensibilidade, acuidade visual, reflexo, coordenação, equilíbrio entre outros. Enquanto ele me examinava, perguntou pro Baby o que a gente ia fazer de bom em São Paulo, e o Baby disse ao doutorzinho que tinha que achar um restaurante com uma sobremesa que eu comi na França e viciei, "o creme brulée" e ele ahhh, então vai olhando esse livro enquanto a examino. E mostrou um livro com os melhores restaurantes de São Paulo, coisa que o Baby quase que nem gosta, gastronomia!

Pronto, terminado o exame clínico, voltamos a sala, e ele disse que estava tudo ótimo e deu a minha nota, isso mesmo, chamo de nota o meu EDSS que é a escala de avaliação neurológica, e a minha nota foi......Zero!!! Uhuuuu! Nunca fiquei tão feliz com uma nota 0!!
Bom, fomos desvendar as Ressonâncias Magnéticas. Eu já comecei dizendo a ele "doutor gostaria que o senhor me explicasse tudo que o senhor vê aí, porque eu vi que deu uma nova lesão na coluna. E gostaria que o senhor me tirasse uma dúvida, pela RM o senhor consegue saber se as lesões tem a ver com as minhas queixas?" E ele respondeu: "Não, as lesões são múltiplas e não dá pra saber as áreas que foram afetadas diretamente, a doença é muito complexa! Mas venha ver a sua ressonância da coluna." E lá fui eu, ele contou as vértebras até chegar na C7 e me mostrou, "tá vendo aqui esse branquinho que quase não dá pra ver, foi isso que o laudo mostrou. Mas comparando com a anterior, olha aqui, contou tudo de novo até C7 e disse "ela já estava lá e o médico que analisou o exame não viu, mas agora nessa última ressonância nem deu realce depois do contraste, o que quer dizer que está tudo quietinho. Na ressonância do crânio deu estável sem nenhuma lesão nova significante e na da coluna também, e pelo que vejo aqui, a lesão ainda parece menor."
E gente, que coisinha minúscula, parece que um pedaço do papel tá desbotando e isso porque meu doutorzinho a olhou até de lupa. E mesmo assim a encanada perguntou “Mas isso quer dizer exatamente o que? Já ouvi falar que mesmo sem surtos a EM pode progredir.” Aí foi quando ele nos explicou, “Isso é o que chamamos de Progressiva Secundária, que mesmo sem surtos ela continua progredindo. Mas a sua está estacionada, sem surtos e sem progressão, quietinha!!!” E eu do outro lado da mesa, suspirei fundo, ufa era tudo que eu queria ouvir!!! Mas ele ainda continuou “ O que você sentiu são sintomas da esclerose múltipla, tem suas baixas mesmo, e ainda é bem comum a piora desses sintomas nas mulheres no período menstrual, infelizmente a doença faz isso, por isso precisava te ver, ouço todas as suas queixas e as comparo com o exame clínico e as ressonâncias, e posso dizer que você está ótima!"
E então no final da consulta o Baby comentou que já faz mais de 3 anos que uso a injeção diariamente, por isso estava difícil de achar um local sem caroços, então perguntou se havia a possibilidade de ficar um tempo sem usá-la e foi quando ele nos disse que a maioria dos pacientes reclamam desses carocinhos, ficam de saco cheio de tomar injeção todo o dia e acabam desistindo do tratamento. E eu me meti e disse, “Eu nunca desistirei do tratamento.” E ele disse, “Estamos sugerindo ao paciente ter um dia de folga, você escolhe um dia da semana e fica sem tomar que não terá nenhum problema.” Claro que sobre isso tirei todas as dúvidas, perguntando se não tinha nenhum risco e ele disse que não, e ainda me tirou meus dois medicamentos que tomava há três anos e meio, o complexo vitamínico e o ácido fólico e disse que se por acaso eu engravidar volto a tomar.
Mas ainda terminou a consulta dando o livro de presente pro Baby e me receitando um medicamento próprio para a enxaqueca e disse “esse remédio é para epilepsia, mas você vai tomar a dose mínima que junto com o antidepressivo faz um bom casamento, você começa e me liga uma semana depois pra dizer como se sente.”
E assim foi a minha consulta, uma esclarecedora conversa com o meu doutorzinho, com ótimas notícias!!!
Saí de lá muito mais leve, tirei todo aquele peso das costas.

Vou parar por aqui deixando vocês com muitos beijinhos e desejando um ótimo feriado!!!
E até mais...

Em tempo: Como hoje se comemora o dia da Independência do Brasil, para aqueles que como eu adora ciências sociais, vale a pena ler esse artigo de Isabel Lustosa - O Estado de S.Paulo.

4 comentários :

  1. Fico super feliz com os ótimos resultados dos teus exames e consulta. Parabéns guriazinha!!!

    Meu EDSS é um pouquinho mais que 6, mas acho que a minha EM, agora, está quietinha também. As vezes fico muito mal, mas sei que é "stress".
    Problemas todo mundo tem, mas para nós, esclerosados, eles fazem um mal ainda maior, coisas da EM.

    Adorei o que escrevestes, pois mostra que nem tudo o que sentimos representa a progressão da doênça e sim sintomas que vem e vão, graças a Deus né?!!
    Nos duas temos muita sorte, pois pelo que vejo teu "Doutorzinho" é ótimo e o meu também, ele é o meu Anjo da Guarda.

    Beijinhos Fabi e fica com Deus.

    ResponderExcluir
  2. Que notícia maravilhosa minha amiga!!!
    Nada como visitar nossos queridos doutorzinhos e tirar todas as caraminholas de nossas cabeças.
    Estava super anciosa pra saber o que tinha dado em sua consulta, mas estava viajando e só cheguei agorinha.
    Também tenho enxaqueca e já tomei um remédio pra eplepsia tb e foi ótimo mesmo.
    Melhoras ai Fabi.
    Adoro vc!
    Super bjo!

    ResponderExcluir
  3. Olá Neyra,
    obrigada pela força! Fico feliz em saber que também tem alguém em quem confia plenamente acredito que é o primeiro passo para cuidar da nossa companheira diária a EM!!!
    Grande beijo
    Fabí

    ResponderExcluir
  4. Rê querida amiga, bom saber que você já usou esse tipo de medicamento, estou com u pouco de medo de dar alguma reação. Começo na
    segunda-feira!!!
    Você falou tudo quando diz caraminholas...
    Beijão querida e mais uma vez obrigada por tudo!!!
    Fabí

    ResponderExcluir

Qualidade Vivida

Qualidade Vivida
Qualidade Vivida